Guia com Dicas de Como Passar o Carnaval em Salvador

por Vi Almeida 17 de Outubro de 2016
Veja dicas de como passar o carnaval em Salvador

Haaaa Salvador e seu carnaval baianamente envolvente. Sim, fui envolvida. Não consigo mais viver sem o maravilhoso carnaval de Salvador! Socorro!

Assim como o nome deste blog, Salvador e seu carnaval pra mim são um sonho! Pra mim e pra meu digníssimo, diga-se de passagem ok! Companheiro é companheiro né, e o envolvimento aqui foi conjunto: pegou os dois!




Desde minha adolescência tenho lembranças de ver aquele carnaval pela TV. Aqueles trios passando, aquela música envolvente. E envolve mesmo tá.

Me lembro de um presente que ganhei do meu pai lá com os meus 14 anos: um micro system. Sim, daqueles que quem tinha na época tava abafando! Lembro de junto das minhas primas ficar ouvindo minhas primeiras fitas K7 e CDs e, entre eles, um disco da Banda Eva, com aquela até então, “moça morena bonita” na capa...

Sim, era Ivete! Aquela que apontaria lá na avenida, arrastando uma multidão sem igual, com um trio num jogo de luzes sem igual, trazendo junto da sua voz única e potente e de seu carisma que dispensa adjetivos, um estrondo, um barulho de gente cantando e pulando que me fez perder aquela euforia que Salvador e seu carnaval trazem a qualquer um que está lá: fiquei paralisada.

 




Era muito pra mim! Ela é demais e eu estava diante de uma das minhas maiores divas, que é o que é não é à toa não, naquele momento tive mais certeza ainda!

Passado meu estado de choque, quando ela chegou na minha frente com aquele trio esqueci até quem eu era eu acho, hehehe! Tirei foto, dancei muito, pulei e gritei horrores! E foi demais!


Ainda bem que o esposo teve a sabedoria de me pedir pra virar e olhar pra fazer uma foto. Reparem na diferença entre uma pessoa que está feliz (ele) e uma pessoa descontrolada (eu) rsrs


Foi demais como foi com Bell (outro que quase me enfarta, rsrsrs), com Saulo (#maiorlindezadaBahia), com a Timbalada, Jammil, com Gilberto Gil e sua Varanda Elétrica. Com todos e com tudo da Bahia!




Sim! Foi o carnaval dos sonhos e não resistimos. Voltamos no ano seguinte! Hahahaha. Todas as economias tinham destino certo!  #partiuSalvador!

Agora, que sinto que novamente este momento se aproxima, estou envolvida por este sentimento de abstinência de Salvador. É claro que não tenho como fazer isso todos os anos (gostaria muito, muito mesmo, rsrsr). Pretendemos voltar, com certeza! Mas não sei ainda exatamente quando. Até lá, o que posso fazer é resumir por aqui algumas dicas dessa experiência envolvente. Assim, ajudo quem ainda tem este sonho, mas por algum motivo ainda não viveu, e mato minha saudade né!





Só descobri que haviam dois circuitos no carnaval de Salvador quando cheguei lá! Tem condição? A folia lá passa por dois pontos principais:

CIRCUITO BARRA-ONDINA (DODÔ)

O mais badalado dos circuitos, onde estão concentrados os principais camarotes. Fica na Avenida Oceânica, à beira mar, e é o famoso circuito que costumamos ver na tv. Os trios saem da praia da Barra e vão até o bairro de Ondina. Os camarotes são montados ao longo desta avenida, geralmente em hotéis.



Em cada dia que fui estive em camarotes diferentes. De maneira geral todos com uma estrutura bacana, muitas opções de comida e bebida, banheiro, espaços para descanso, salão de beleza pra quem quiser dar aquela guinada no visú e ficar bem com a cara da folia, espaço para customização dos abadás (as camisetas que dão acesso aos camarotes ou blocos) e shows em palcos exclusivos. 


O circuito percorre a Avenida Atlântica -  beira mar

 

CIRCUITO CAMPO GRANDE (OSMAR)

Não se engane, este circuito é tão grandioso quando o Barra-Ondina. Apesar de não ter camarotes tão badalados, lá eles também existem, com uma estrutura um pouco menos completa, mas que atende muito bem ao objetivo de quem quer acompanhar os trios que passam por lá. Ele tem início na famosa Praça Campo Grande.




Nela, já é possível achar um lugarzinho nas arquibancadas montadas no entorno da praça (você compra ingresso e senta alí, e fica vendo tudo literalmente de camarote!), e acompanha a saída dos trios com uma visão privilegiada! O preço é acessível, varia de R$40 a R$60 por pessoa, de acordo com o dia, e são vendidos em postos em shoppings da cidade (não tem segredo, se você quer ver os trios saindo de pertinho neste circuito é só perguntar pra qualquer pessoa em Salvador que vão indicar onde encontrar, mas precisa buscar assim que chegar na cidade, porque costumam acabar logo).




Este circuito tem a programação de quinta à terça, como o Barra Ondina. Nos dois anos em que estive lá, no domingo costuma ser um ótimo dia pra estar nele. Os trios começam a sair a partir das 12h. Muitos blocos afros e culturais desfilam neste circuito, que tem essa pegada tradicional e histórica da festa, mas também contam com as grandes estrelas da cidade como Saulo, Ivete, Bell, Daniela, Psirico...


O circuito é famoso também pelos blocos Algodão Doce, de Carla Perez voltado para a criançada; e também pelo As Muquiranas, onde os homens se vestem com fantasias tradicionais do bloco, puxado por Márcio Victor e outros artistas


Vale a pena conferir a programação e acompanhar um dia de folia por lá. Eu fiquei na “pipoca”, ou seja, não estive em camarote nem em blocos que seguem os trios. Fiquei na praça mesmo, na rua, vendo os trios e os blocos passarem. Pelo menos a minha experiência foi bem tranquila. Muita família, muitas crianças, gente de todo tipo e de toda idade, curtindo a festa junto. Tem ambulantes com bebidas e comidas, só vale a pena levar um boné porque o sol castiga.


Pra quem quer tranquilidade, tem também o Circuito Batatinha, que passa pelo Pelourinho e Centro Histórico da Cidade. Lá há desfiles de blocos caricatos e bandas com marchinhas.








 

NO CIRCUITO BARRA ONDINA

De maneira geral a estrutura que eles oferecem é muito boa, buffet completo, bebidas, estrutura. Mas há algumas coisas que nem passam pela cabeça e que são importantes na escolha de qual camarote ir, já que existem várias opções:

ESTILO: pra mim os camarotes em Salvador têm meio que estilos, tipo: o camarote da galera mais jovem que quer pegação, o camarote da balada onde rola muita música eletrônica, o camarote sertanejo onde este estilo de música faz parte da programação, o camarote mais baiano que tem mais um estilo praiano e a presença mais forte do axé, enfim...



Camarote do Nana – Carnaval de Salvador. Ele é conhecido por ser de Bell Marques. Tem um clima bem praiano e de axé mesmo. Colorido, com DJ que toca músicas da Bahia e pra mim, com uma vista e localização privilegiada no circuito



LOCALIZAÇÃO: pesquise onde fica localizado seu camarote na extensão da avenida. Está numa reta? (o que te dará maior tempo de visão dos trios) ou numa esquina? (o trio vai passar super rápido e você vai curtir pouco tempo daquela atração). Ele fica no início do circuito, no meio, no final? Isso faz muita diferença na hora de chegar ou ir embora dele. Pense que não tem como chegar do alto já no centro do circuito. Se seu camarote estiver no meio e você quiser ir embora, vai ter que se jogar na avenida no meio daquela multidão até encontrar um ponto de saída, o que não é fácil....
 

Localização camarotes Salvador







Este ponto tem relação com o que acabei de citar acima: Se você vai pra um camarote que está no meio do circuito, você vai ter que caminhar até ele. O transporte, seja ele qual for, inclusive taxi credenciados, só têm acesso até certo ponto do circuito. Dalí pra frente, é a pé mesmo! E se você comete a inocência que euzinha aqui cometi em minha primeira vez por lá, corre o risco de sair de casa quase no horário de abertura dos camarotes (que gira em torno das 18h) e já trombar com um trio com bloco na avenida (os primeiros saem da concentração no Farol da Barra a partir das 15h, e por volta das 18h já estão no meio do circuito né!). Se isso acontecer, respira fundo e vai até atravessar aquela montoeira de gente! O ideal, na minha opinião, é sair mais cedo e cruzar a avenida livre, chegar no camarote antes de qualquer trio passar...


Sair de casa cedo, saber a localização de onde vai ficar durante o desfile dos trios e ter contato de transportes ajudam a enfrentar essa multidão  





Mesmo pesquisando a localização dos camarotes e estando atento aos horários, você ainda provavelmente terá problemas para achar um transporte na hora que a festa acabar. A tendência é que ao final todos caminhem no sentido do final do circuito e queiram pegar algum transporte pra ir embora. Agora são milhares, milhares de pessoas, e o transporte da cidade não dá conta! Todos os dias que fui pro Barra Ondina fiquei cerca de 1 hora na espera de algum jeito de ir embora. E olha que uma hora depois de 10, 12h de folia não á fácil não viu.
 

Pesquise a distância de onde vai ficar





Esta dica tem o mesmo objetivo sobre o transporte: ficando mais próximo talvez você possa se deslocar até mesmo à pé e não depender do transporte para ir ou voltar da folia. E caso não seja possível ficar tão próximo dos circuitos (que obviamente é mais caro) pesquise pontos de taxi, ônibus ou pessoas que possam auxiliar nos trajetos.





Não fui em nenhum bloco que segue os trios. Optei pelos camarotes no Barra Ondina e pela pipoca no Campo Grande. Mas pelo que ví, os blocos também têm lá suas características. Eles têm, é claro, muito do artista que os puxa.

Alguns têm um carro de apoio, que vai atrás do trio, com banheiro e venda de bebidas. Acho que pra quem tá a fim, têm ânimo, deve ser algo muito legal! Afinal, você percorre o percurso todo, conhece toda a orla, toda a estrutura, e participa do show completo do artista que escolhe seguir. Por outro lado, acho que tem que ter pique viu. São cerca de 4,5km percorridos no Barra Ondina e 6km no Campo Grande, com muita dança e não tem jeito, empurra empurra também.



Concentração dos blocos acontece no Farol da Barra




Os camarotes e blocos começam a ser vendidos logo depois do final do carnaval. Alguns meses passada a folia, já é possível consultar as programações e preços. Em Salvador existem lojas físicas em shoppings e lojas de rua da cidade. Pra quem não é de lá, basta acessar um dos inúmeros sites dedicados a isso. Eles vendem parcelado e oferecem o serviço de entrega dos abadás em um endereço em Salvador que você quiser. Eu optei por esse, recebi os abadás no endereço em que me hospedei, pagando uma taxa claro, custa cerca de R$90,00. Mas acho que vale a pena porque você foge das filas dos pontos de retirada localizado geralmente nos shoppings. Algumas lojas oferecem também a retirada no aeroporto, mas também vi filas por lá.

Selecionei algumas lojas que vendem abadás, as duas primeiras são as que comprei e pelo menos comigo não houve problemas, recebi tudo direitinho:


QUERO ABADÁ | CENTRAL DO CARNAVAL | FOLIA BAHIA | CASA DO ABADÁ | ABADÁ WEB



DICA FINAL



Isso mesmo! Se você vai de bloco ok, isso vai acontecer! Mas se optar apenas pelos camarotes ou pela pipoca em algum ponto estratégico, você precisa fazer isso! Mesmo que se organize com horário, localização, enfim, você precisa passar pelo circuito saindo do Farol da Barra (este por do sol lindo da foto abaixo presenciei lá) até Ondina!



Pôr do sol na Ladeira da Barra

 

Faça isso num horário bem cedo, tipo 12h, 13h. Sim, mesmo que o sol escaldante de Salvador nesta época castigue, tente fazer isso pra conhecer o circuito, conhecer os camarotes, os pontos turísticos. Até mesmo os camarotes da imprensa, do YouTube (que tem um canal massa com vídeos do carnaval, entra lá pra entender melhor o que tô falando aqui), a Varanda Elétrica de Gilberto Gil, é muito legal ver tudo de perto.

Se você não fizer isso, acaba que vai se limitar ao deslocamento de sua rota e não vai conseguir ver tudo isso, porque o circuito fica fechado nesta época apenas para o carnaval né! Você vai voltar pra casa com a sensação de que não viu tudo que vê pela tv...




 

Então, tudo pronto pra curtir seu próximo Carnaval em Salvador?

“Se me chamar eu vou!” rsrsrs

Me conte aqui!

 

Crédito Fotos: sinalizadas em cada imagem ou de arquivo pessoal